sábado, 19 de maio de 2012

Guimarães será mesmo Cidade Europeia do Desporto em 2013


A atual Capital Europeia da Cultura portuguesa será mesmo, como já tinha sido referido aqui,  Cidade Europeia do Desporto, no próximo ano. De acordo com notícia publicada hoje no Jornal de Notícias, o anúncio da seleção já foi oficializado em conferência de imprensa que decorreu hoje mesmo no pavilhão multiusos.

A "cidade berço, como lhe chama o JN, é a primeira cidade portuguesa a conseguir tal feito e os seus planos de programação incluem um evento por semana. Ainda segundo a notícia, a Associação das Capitais Europeias do Desporto, presidida por Gian Francesco Lupattelli, avaliou positivamente as "infra-estruturas vimaranenses e apontou que, depois do ano cultural, a cidade minhota está apta para acolher o ano desportivo."
Curiosamente, e mesmo que os autores da notícia disso não tivessem consciência, são aí referidas algumas estratégias e projetos políticos, administrativos, de gestão ou de marketing urbano, atualmente seguidas em Guimarães, que põem em marcha  processos de re-invenção das imagens e, de forma mais ampla, da identidade desta cidade. Ficou por referir, na notícia, que Guimarães possui agora, também, um conjunto de circuitos turísticos para contemplação do seu património industrial.
Ora, como referi antes, nem sempre é fácil obter consensos locais generalizados acerca destas estratégias e projetos que, de alguma forma, perturbam as imagens mais consolidadas de uma cidade. E para se ter consciência de tais dificuldades basta fazer um exercício muito simples: o de prestar alguma atenção às comunidades locais e aos diversos grupos sociais que compõem uma cidade. Neste caso, esse exercício está ainda mais facilitado, bastando olhar para os comentários individuais que foram sendo deixados depois da notícia do anúncio de Guimarães como Cidade Europeia da Cultura.
Deixo, aqui, aqueles que, do meu ponto de vista, parecem sociologicamente mais interessantes, pela controvérsia que representam:

"Senhores da comunicação social, parem de ir atrás destas palermices de cidade "europeia" disto ou daquilo. Chamarizes de "marketing" da treta inventados para gastar dinheiro mal gasto. Já bastaram 11 estádios para afundar o país numa "festa" europeia."

"infelizmente escolheram uma terriola de gente fanática e de gatunos...braga devia ser escolhida como numero um."

"Parabéns, como vimaranense fico FELIZ. Agora os adeptos "ferrenhos" têm que ter outra postura, para com os RIVAIS da Capital Europeia da Juventude! já agora, faço um reparo---ontem fui comprar sapatos, e só porque tinha o símbolo da capital europeia da cultura eram caríssimos /uma cidade tb capital do desemprego! É claro deixei logo de fazer compras. por favor não se aproveitem, para elevarem os preços! Uma vergonha!"

"GUIMARÃES, SOMOS TODOS NÓS, parabéns Guimarães"

Não sendo mais do que meros exemplos, estes comentários revelam, ainda assim, os modos, divergentes e complexos, como estes projetos são rececionados e interpretados pelas populações locais: é a consciência de que tais projetos não passam, muitas vezes, de campanhas de marketing vazias de conteúdo, são as rivalidades regionais tão vincadas no nosso país, é o gosto pela cidade berço, ao mesmo tempo que se sente, na própria economia doméstica, o custo da realização destes projetos e é, finalmente, o simples orgulho, sem mais discussão, dessa cidade que é de "todos nós", Guimarães.    

Aqui fica o vídeo oficial de "Guimarães 2013 - Candidata a Cidade Europeia do Desporto".