quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Representações, imagens e narrativas sobre as cidades

As cidades não são apenas espaços materiais ou vividos, elas são também espaços de imaginação e de representação. Vários planeadores urbanos idealizam o aspeto físico das cidades, o seu funcionamento e as formas de serem vividas e esses ideais traduzem-se, por sua vez, em planos e ambientes construídos. Simultaneamente, as cidades são representadas em diversas formas artísticas – literatura, cinema, música, pintura e fotografia – e estas representações produzem também os seus efeitos sobre os lugares. A memória coletiva e o imaginário público sobre as cidades são, eles próprios, construídos e transformados por narrativas, imagens e representações que organizam a dimensão simbólica do espaço urbano (Boyer, 1998; Bridge e Watson, 2003: 7).
Pelo menos desde o século XVIII em diante, os romances ajudaram a criar a cidade como uma categoria empírica para o público leitor, disseminando determinadas formas de ver a paisagem urbana e de perspetivar a vida dos cidadãos. No decorrer do século XX, no entanto, as narrativas e as imagens associadas às cidades ao longo dos séculos anteriores foram-se distanciando das novas realidades urbanas, sendo ultrapassadas pelos ritmos e rotinas impostos pelos novos meios de transporte, as novas formas de comunicação e os novos processos de reabilitação dos centros antigos das grandes cidades (Donald, 2003: 48-49). Deste ponto de vista, as novas realidades urbanas concorreram, também elas, para transformar as imagens, as narrativas e as representações sobre as cidades.
O trabalho de R. Chartier (1988: 17), a propósito do objeto da história cultural, encara as representações do mundo social como esquemas de “classificações, divisões e delimitações que organizam a apreensão do mundo social como categorias fundamentais de perceção e de apreciação do real”. Estes esquemas variam de acordo com as classes sociais e os meios intelectuais onde são produzidos, não sendo universais mas determinados “pelos interesses de grupo que os forjam”. Aplicada ao contexto urbano, a proposta de Chartier implica, necessariamente, pensar as representações sobre as cidades como plurais ou até opostas. Se essas representações dependem dos interesses específicos de determinados grupos, não surpreenderá que exista, em graus variáveis, alguma competição e conflitualidade entre elas. Chartier chama precisamente a atenção para essa possibilidade conflitual, equiparando a importância das lutas de representações às lutas económicas na imposição de valores e de visões do mundo social por parte de um grupo. Apresentando-se como sistemas sociais complexos, as cidades propiciam o desenvolvimento de visões plurais, distintas e, por vezes, rivais, não podendo, por isso, ser representadas numa só imagem ou reduzidas a uma única narrativa.
Em A Imagem da Cidade, ainda que dedique a sua atenção aos elementos físicos da imagem das cidades, K. Lynch (1988: 57) reconhece a existência de um outro conjunto de fatores influenciadores dessa imagem: “o significado social de uma área, a sua função, a sua história, ou até, o seu nome”. As vias, limites, bairros, cruzamentos e elementos marcantes seriam, em contraste, as formas físicas estruturantes das imagens individuais sobre as cidades. Esses elementos possuem imaginabilidade – a qualidade que lhes permite provocar a evocação de uma imagem mental a um dado indivíduo (ibid.: 20). Neste sentido, Lynch refere-se a imagens como representações mentais que podem ser influenciadas por fatores imateriais, mas que são estruturadas principalmente por referência a elementos materiais das cidades. Ainda que possam ser mais ou menos partilhadas, essas imagens não deixam de ser representações mentais individuais.

FITUR, Feira de Turismo de Madrid, 2011. Foto da Autora.
A formação de uma imagem, como representação individual sobre uma cidade, pode ocorrer de diversas formas: através da influência de livros, filmes, postais, músicas, conversas, páginas eletrónicas, para além da efetiva visita ao lugar, que não tem necessariamente que ocorrer. Mas essa imagem individual é também construída por referência aos elementos da cidade que são publicitados por atores específicos, direta ou indiretamente ligados à promoção turística.




Deste ponto de vista, as imagens como representações mentais são influenciadas tanto pela experiência individual, como pelas imagens publicitárias que o marketing territorial promove. Neste último sentido, passa-se do domínio das imagens como construção individual para o domínio da produção imagética mais vasta, das imagens na sua forma descritiva, como frases ou expressões produzidas explicitamente para apresentarem alguma coisa num sentido atrativo, com o objetivo de influenciar a opinião pública, criando uma conceção generalizada sobre a cidade.
Estes diversos domínios em que a noção de imagem é usada, bem como a crescente diversificação de sentidos que lhe são atribuídos no discurso sociológico, acusam não só a relativa ambiguidade da própria noção, como as dificuldades de delimitação em relação a outras noções (estereótipo, narrativa e representação social) e entre linguagens disciplinares diferentes. A ambivalência está também presente na literatura da gestão e do marketing turístico. Discute-se, nomeadamente, a questão da atratividade das marcas e do ciclo de vida dos destinos, definem-se os elementos que contribuem para aumentar a atratividade da cidade enquanto produto turístico e elaboram-se sistemas de avaliação da imagem dos destinos. No entanto, pouco se escreve sobre a definição do conceito de imagem e mais raramente ainda ele é problematizado.
P. Kotler, um dos autores mais referenciados neste âmbito de discussão, defende que a imagem de um lugar corresponde à soma das convicções, crenças, ideias e impressões que as pessoas desenvolvem em relação a esse lugar (Kotler et al., 1993; Kotler e Haider, 1994). Esta definição, no entanto, é de tal forma ampla que se aproxima da noção de cultura, nomeadamente no sentido antropológico de C. Geertz (1973: 214-222). Do ponto de vista sociológico, ela não parece, portanto, operacionalizável: porque tudo é visto como imagem de um lugar; e porque os elementos a que Kotler se refere são parte integrante da experiência individual, não remetendo diretamente para o domínio das imagens produzidas no âmbito publicitário.
C. Fortuna e P. Peixoto (2002: 17) defendem que as imagens possíveis de um objeto correspondem ao “vasto leque de visões que um objecto pode suscitar a partir das suas múltiplas características”. Falando de cidades, esta expressão significa que, do ponto de vista da produção imagética, é possível apresentar as cidades a partir de mais do que uma imagem publicitária, e que, do ângulo da receção individual, uma cidade pode provocar a evocação de várias representações mentais.
No quadro das operações de marketing e publicidade que se desenvolvem para a promoção turística e, em particular, no seio da análise sociológica sobre essas operações, outra noção surge recorrentemente – a de narrativa. No Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (2003: 2588), narrativa é definida como conto ou história, como a exposição de um acontecimento ou de uma série de acontecimentos mais ou menos encadeados, reais ou imaginários, por meio de palavras ou de imagens. Desta ideia mais restrita, de narrativa como forma de contar uma história ou uma experiência, o conceito foi progressivamente ampliado, passando a ser usado em contextos variados para referir interpretações e relatos de diversos níveis. A noção passou a estar muito para além dos trabalhos artísticos tradicionalmente estudados no contexto da literatura (Finnegan, 1998: 4-9). No quadro do turismo, convém entender as narrativas, “na condição de metáforas tomadas por empréstimo do mundo literário” (Barreira, 2005: 300), como expressões de discursos instituídos, originários de fontes diversas. Discursos “não apenas fruto de práticas e intervenções de diferentes atores sociais, mas expressão de formas legitimadas de apresentar a cidade” (ibid.).

FITUR, Feira de Turismo de Madrid, 2011. Foto da Autora.
Na experiência turística, o narrador é substituído por roteiros ou guias turísticos, que utilizam uma linguagem atrativa, apelando a sentimentos positivos por parte do turista. O turismo e as atividades que daí decorrem são, aliás, um dos meios hoje mais poderosos de criação e difusão destas imagens e narrativas urbanas. A busca de uma imagem distintiva e a procura de qualidades especiais são tarefas a que muitos atores, grupos ou instituições se entregam, em nome das cidades, para a construção de narrativas e de imaginários urbanos e, pela sua tradução em obra física, em paisagens construídas, que atraiam e satisfaçam a procura turística.
Os postais, os roteiros para visitantes e os guias turísticos são elaborados de forma a mostrarem certas fotografias da cidade e não outras, a contarem partes selecionadas da história do lugar, a revelarem determinadas palavras e não outras, a sugerirem algumas experiências urbanas possíveis entre muitas outras. Na sua análise do Guia Azul, R. Barthes (1957: 11 5) alertava já para o cariz seletivo dos guias. O mesmo pode dizer-se dos outros tipos de materiais de promoção turística: eles são uma forma de apresentar a cidade segundo as narrativas desse lugar; eles não dizem propriamente o que a cidade é, antes apresentam uma cidade, ou várias cidades, idealizada(s), a partir das suas imagens mais atrativas.

Referências bibliográficas
Barreira, Irlys (2005), “Os guias turísticos em Berlim”, Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, 17(1), 299-320.
Barthes, Roland (1957), “O Guia Azul”, in R. Barthes, Mitologias. Lisboa: Edições 70.
Boyer, M. Christine (1998), The City of Collective Memory. Its Historical Imagery and Architectural Entertainments. Cambridge, Mass: MIT Press.Boyer,
Bridge, Gary; Watson, Sophie (2003), “City Imaginaries”, in Gary Bridge; Sophie Watson (orgs.), A Companion to the City. Malden: Blackwell Publishing, 7-17.
Chartier, Roger (1988), A história cultural. Entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL.
Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (2003), “Narrativa”. Lisboa: Temas e Debates.
Donald, James (2003), “The Immaterial City: Representation, Imagination, and Media Technologies”, in Gary Bridge; Sophie Watson (orgs.), A Companion to the City. Malden: Blackwell Publishing, 46-54.
Finnegan, Ruth (1998), Tales of the City. A Study on Narrative and Urban Life. Cambridge: Cambridge University Press.
Fortuna, Carlos; Peixoto, Paulo (2002), “A recriação e reprodução de representações no processo de transformação das paisagens urbanas de algumas cidades portuguesas”, in Carlos Fortuna; Augusto Santos Silva (orgs.), Projecto e circunstância: Culturas urbanas em Portugal. Porto: Edições Afrontamento, 17‑63.
Geertz, Clifford (1973), The Interpretation of Culture. New York: Basic Books.
Kotler, Philip et al. (1993), Marketing Places – Attracting Investment, Industry, and Tourism to Cities, States, and Nations. New York: The Free Press.
Kotler, Philip; Haider, Donald (1994), “There’s No Place Like Our Place!”, Public Management, 76(2), 15-18.
Lynch, Kevin (1988), A imagem da cidade. Lisboa: Edições 70 [1960].

Versão completa e citável do texto aqui ou diretamente aqui.
Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - convertido pelo Lince.        
Nas citações manteve-se a versão portuguesa pré-acordo.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...